27 de abr de 2009

A quem interessar possa...

De meu mundo quis fazer um poema:
Faltaram-me as palavras
Ou faltou-me o mundo?
Oceanos represados no contexto da existência
Rompem caminhos buscando seu fluxo,
Remanso incerto a ser formado.
Mas as palavras, estas, indecisas, imprecisas,
Não lhe foram fiéis em sentido,
Nem lhe deram a dimensão do transbordo.
De meu mundo meu poema perfeito
Cria-se no laborioso do tempo a moldar-me.
Leiam-me póstumo, quando todo vivido,
E não mais traiçoeiras palavras lerão,
Apenas completo sentido.

18/02/95
20:47h

Nenhum comentário:

Postar um comentário