19 de jan de 2010

Eutanásia

Estou morto!
Arrefece, meu coração
Não há noite, não há dia
Somente a lâmina fria
Cessa a voz, cala-se a luz
Desfaz-se o corpo, empalidece o sonho

Estou morto!
Enrijeço e enregelo
Só meus cabelos crescem!
Nem medo, nem dor, nem nada!
Soturna chega a noite dos mortos
Com sua cobertura negra e vasta.

Estou morto!
E nessa nau errante
Que no escuro se arrasta
Minh’alma, delida de corpo, vaga,
Erra a vau do Estige sem jamais ter porto

Estou morto!
E meu epitáfio diz:
“Jaz aqui a elidível matéria,
Quão tarde descobriu ser vão
O fogo que ardia em seu peito
Agora o que tem é só chão”

Nenhum comentário:

Postar um comentário